.

.
30 de Julho de 1929, jovens velejadoras no porto de Deauville, França (Getty Images)

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Vinicius de Moraes

O site oficial do poetinha, o inesquecível Vinicius de Moraes é uma maravilha. Tem quase toda sua obra disponível, de criticas de cinema a sua poesia única. Fui ver o que achava sobre o carnaval para postar aqui e eis o que apareceu:

Soneto de carnaval

Distante o meu amor, se me afigura
O amor como um patético tormento
Pensar nele é morrer de desventura
Não pensar é matar meu pensamento.

Seu mais doce desejo se amargura
Todo o instante perdido é um sofrimento
Cada beijo lembrado uma tortura
Um ciúme do próprio ciumento.

E vivemos partindo, ela de mim
E eu dela, enquanto breves vão-se os anos
Para a grande partida que há no fim

De toda a vida e todo o amor humanos:
Mas tranqüila ela sabe, e eu sei tranqüilo
Que se um fica o outro parte a redimi-lo.

3 comentários:

s. disse...

o soneto de carnaval me tocou, por isso deixo aqui o soneto de quarta-feira de cinzas de Vinícius de Moraes.

Por seres quem me foste, grave e pura
Em tão doce surpresa conquistada
Por seres uma branca criatura
De uma brancura de manhã raiada
Por seres de uma rara formosura
Malgrado a vida dura e atormentada
Por seres mais que a simples aventura
E menos que a constante namorada

Porque te vi nascer de mim sozinha
Como a noturna flor desabrochada
A uma fala de amor, talvez perjura

Por não te possuir, tendo-te minha
Por só quereres tudo, e eu dar-te nada
Hei de lembrar-te sempre com ternura.

Thiago Domenici disse...

Oi S.
gostei muito do soneto. Legal você compartilhar aqui, obrigado. Você chegou a ver o site do poetinha? Tem muita coisa boa, impressionante. Obrigado, abraço, Thiago

s disse...

obrigada por você lembrá-lo...

vi o site, e como Vinícius mesmo disse: "é um sossego, uma unção, um transbordamento de carícias." que ternura... ele têm vida!!!

beijos

Postar um comentário

Ofensas e a falta de identificação do leitor serão excluídos.

Web Analytics