.

.
30 de Julho de 1929, jovens velejadoras no porto de Deauville, França (Getty Images)

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Paixonar-se

Foi a paixão pela eletrônica que levou Stphen Wozniak a conseguir pela primeira vez na história digitar letras num teclado e vê-las aparecer numa tela. Foi a paixão por um Brasil comunista que fez Carlos Marighella arriscar liberdade e vida e acabar sendo assassinado em uma rua de São Paulo. A paixão por perguntas fez Clarice Lispector criar Macabéa e uma galinha. A paixão pela superação fez Marina Silva, alfabetizada aos dezesseis anos, se tornar ministra de Estado e candidata à presidência da República.

Muitos vivem a paixão de mudar o mundo das coisas ou das ideias. Alguns se dão bem. Tornam-se ricos ou famosos ou respeitados. Ou as três venturas juntas. Outros morrem anônimos, ou solitários ou esquecidos. Ou as três injustiças juntas. Então, paixão não garante nada, além do entusiasmo e da energia maluca que ela desperta.

Há paixões coletivas. Os portugueses do século XVI se apaixonaram pela navegação. A ponto de Fernando Pessoa poetar que o mar era português. Os estudantes em 1968 se apaixonaram pela imaginação no poder. Os candidatos a escritores, no século passado, se apaixonaram por Paris. A maioria deles sonhou que se lá vivessem, escreveriam o que não conseguiram escrever na Vila Madalena, em Boa Viagem ou no Leblon.

Apaixonados são aficionados. Podem criar fã-clubes, partidos, ongs. Ler tudo sobre um único assunto. Assistir a todos os filmes de Godard. Saber a novena inteira do santo de estima. Passar a vida colecionando selos ou recolhendo conchinhas em cada praia que pisam. Podem perder todo salário no bingo. Podem gastar infinidades de domingos encerrando um karmanguia azul.

Lembremos dos que rompem com mulher e filhos para pescar todos os fins de semana. Mulheres que desistem de casamentos com o objetivo de guardar dinheiro para a coleção de pares de sapatos. Velhos que se esquivam dos amigos para deixarem-se dezoito horas em frente à TV. Crianças que roubam dinheiro dos pais para comprar figurinhas de dinossauros. O que é tudo isso se não paixão?

Um amigo meu abandou a Escola Politécnica da Usp para ser músico em bares noturnos. Minha vizinha largou o emprego na Bolsa de Valores, Mercadoria e Futuro, vendeu a casa com tudo que havia dentro, rifou o carro do ano com câmbio automático, e se mandou para Trancoso no sul da Bahia. Uma conceituada psicanalista rasgou a carteira de clientes neuróticos e foi assar arepas em Bogotá. O que é tudo isso se não paixão?

Meu tio Walter, morto em julho deste ano, era apaixonado pelo Flamengo. Tinha chaveiros, cinzeiros, flâmulas, canecas, canetas, camisetas com o brasão rubro-negro. Quando pressentiu o fim, foi no cartório e deixou por escrito a última paixão: que suas cinzas fossem jogadas no campo do time do coração. Sua filha Wânia enganou o segurança e cumpriu o desejo do pai.

Qual a minha paixão? Não é mudar o mundo. Não é inventar a máquina perfeita. Não é apostar nos cavalos do Jockey Clube. Não é cultivar um jardim. Minha loucura é colecionar lápis. Tenho de todos os tipos. Redondos, sextavados. Lisos, engruvinhados. De todas as cores. Pretos, brancos, lilases. Com nomes de museus, açougues, hotéis. De madeira comum e de madeira certificada. Essa paixão começou aos seis anos e segue até hoje.

Fernanda Pompeu, escritora e redatora freelancer, colunista do Nota de Rodapé, escreve às quintas. Ilustração de Carvall, especial para o texto.

13 comentários:

celia.musilli disse...

Outra bela crônica Fernanda.

Um bj.

C. Pompeu disse...

Bem que eu desconfiei... Afinal, desde criança vejo aquele mundaréu de lápis na sua mesa de trabalho... Beijo!

Anônimo disse...

Um texto apaixonante, para ler com o olhos e o coração.

Anônimo disse...

Que par mais excelente você e o Carvall !

Me apaixonei pela sua esquina, Fê!

Régine

julio disse...

Maravilhoso, os que moravam encima e os viviam embaixo .....

caco bressane disse...

Impossível não se identificar! Lindo texto, ótima ilustração. Como sempre!

seawiever disse...

e agora as pessoas doam as senhas e seus apps comprados na applestore aos herdeiros, tudo registrado em testamento.
adorei fe!
beijo

Redes disse...


Escrevendo assim alguém vai se "paixonar" por você.
Paula (Portugal)

Redes disse...

FÊ,
Já agora dá uma vista de olhos em http://www.viarco.pt/.
Primeira empresa em Portugal apaixonada por lápis.
Um abraço
Paula (Portugal)

Edson Parisotto disse...

Tenho acumulado tantas paixões que chego a me vergar com tanto peso. E quando penso que não há espaço para mais nenhuma opção eis que algumas notas de rodapé vem me arrebatar.

Anônimo disse...

Oi, Fernanda.
Tenho aqui em casa um lápis que escreve de várias cores ao mesmo tempo, você vai gostar.
Grande abraço,
Orlando

tabigg disse...

que lindo! e a gente querendo se apaixonar por impossibilidades, e o lápis tão simples, pode nos revelar em poucos movimentos, nossos sonhos.

Ceci disse...

Realmente, você é que é paixonante Fe. Sempre te leio...

um beijo,
Ceci

Postar um comentário

Ofensas e a falta de identificação do leitor serão excluídos.

Web Analytics