.

.
30 de Julho de 1929, jovens velejadoras no porto de Deauville, França (Getty Images)

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Izaías Almada # 9


Algumas perguntas ao prêmio Nobel da Paz


Presidente Barack Obama: se o senhor ainda não lê o blog Rodapé, deveria fazê-lo. Tenho a esperança de que algum funcionário do consulado norte americano em São Paulo irá indicá-lo ao senhor. O que me motiva, desde já, a encaminhar à sua consideração a possibilidade de responder a algumas perguntinhas, não só ao blog, mas quem sabe ao mundo, agora também na condição de ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 2009. Vamos a elas:

1 – Qual o número de ogivas nucleares ainda guardadas em arsenais norte americanos?
2 – Por qual motivo o seu governo não condena o Estado de Israel por possuir armas nucleares, quando se condena a República do Irã a evitá-las?
3 – Por quê enviar mais 25 mil soldados ao Afeganistão?
4 – Por quê não retirar as tropas norte americanas do Afeganistão e do Iraque?
5 – Por quê manter o ignominioso bloqueio econômico a Cuba?
6 – Por quê não fechar a base militar de Guantánamo em território cubano?
7 – Por quê aumentar o número de bases militares na Colômbia?
8 – Por quê não condenar efetivamente o golpe militar contra o governo eleito democraticamente do senhor Manuel Zelaya em Honduras?
9 – Por quê reativar a IVª frota da Marinha de Guerra norte americana para operar no Atlântico Sul?
10 – Diante destas perguntas, por qual motivo o senhor não recusou o prêmio Nobel da Paz, na sua versão de 2009?

Creio que o mundo inteiro – e o digo sem nenhum tipo de ironia – gostaria de ver estas perguntas respondidas, com a transparência e a dignidade com que é suposto ter um agraciado com tal prêmio.
Como não posso falar em nome de todos, faço-o em meu próprio, no de meus três filhos e do meu netinho Leonardo, que ainda têm a expectativa de poder viver realmente em paz nos próximos anos.

Izaías Almada, escritor, dramaturgo e colunista do Blog Rodapé.

4 comentários:

sofia amaral disse...

muito bom! são as coisas que todo mundo quer saber....

** Fabiana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
** Fabiana disse...

é que a noção de paz em nosso planeta perdeu o sentido, o foco, acredito até que perdeu seu verdadeiro significado. Sendo assim, nomear o premio nobel da paz pode ter diferentes visões, contextos e até mesmo premiar quem não merece.

Cinthia Zaccariotto disse...

Apesar da minha profissão de atriz, faço um trabalho voluntário de mediação de conflitos, infelizmente em escala mínima, atualmente na 12ª vara da família. Pacificar é muito difícil e trabalhoso, mas é uma obrigação de todos nós, com ou sem prêmio seja ele qual for.

Postar um comentário

Ofensas e a falta de identificação do leitor serão excluídos.

Web Analytics