.

.
30 de Julho de 1929, jovens velejadoras no porto de Deauville, França (Getty Images)

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Invictus emociona, ensina e não é melodrama, aconteceu de verdade na África de Mandela

Invictus, de Clint Eastwood, é ótima pedida para os que desejam uma pausa nas marchinhas e folias deste carnaval. O filme relembra o papel histórico do Mundial de Rúgbi de 1995, África do Sul, no qual Nelson Mandela capitaliza politicamente o esporte em favor das emoções e reações de um país pós-apartheid e que tentava recuperar sua identidade. Não fosse uma história real os críticos e chatos de plantão - ou a junção disso - diriam que é mais um melodrama ou coisa e tal. No entanto, é justamente na veracidade do que aconteceu na história deste país - esporte e política pelo bem comum - que fortalece o filme como exemplo de perdão e busca da igualdade, palavrinha tão importante no nosso cotidiano e tão difícil de praticar ou se alcançar. Em certa cena o capitão da equipe sul-africana protagonizado por Matt Damon (François Pienaar), é questionado pela noiva se está tão pensativo por causa do jogo no dia seguinte. Ele responde que não, que está se perguntando como alguém que fica 27 anos preso (no caso, Mandela, protagonizado brilhantemente por Morgan Freeman) em um espaço tão pequeno pode sair de lá disposto a perdoar aqueles que o prenderam. Baseado no livro Conquistando o Inimigo, do jornalista inglês John Carlin, Invictus é a utopia que virou realidade.

4 comentários:

Diógenes de S. disse...

Confesso que desde quando assisti ao primeiro trailer fiquei curioso para ver Invictus. Ainda não saciei a vontade, mas ela fica cada dia maior.

Thiago Domenici disse...

Alô, Diógenes. Aproveita uma brecha que tiver e assista. tem alguns filmes que valem a pena assistir. Esse é um. Abraço e obrigado pela visita e comentário. Thiago Domenici

Elaine disse...

Este é um dos ultimos belos filmes que tive o prazer de ver numa noite dessas chuvosas!História forte, exemplos marcantes, fotografia linda.Você não dá nada pelo filme, quando vê a história cresce horrores de emoção!Claro que falando de Mandela, não poderia ser menos, ainda mais sob o olhar de Clint Eastwood...Eu recomendoo!!Super bjoo.Elaine Sodré

Thiago Domenici disse...

Elaine, valeu a visita e o comentário. Beijo, Thiago

Postar um comentário

Ofensas e a falta de identificação do leitor serão excluídos.

Web Analytics