.

.
30 de Julho de 1929, jovens velejadoras no porto de Deauville, França (Getty Images)

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

O peso eleitoral da bolinha de papel, o retorno

Na edição de ontem, 21, o Jornal Nacional (e depois o Jornal da Globo) mostrou que José Serra do PSDB havia sido atingido por uma bolinha de papel e numa outra imagem, feita por um repórter da Folha de S.Paulo (do celular) por um objeto "mais pesado". O JN dedicou um bom tempo (mais de 7 minutos) para dizer que não errou na reportagem do dia anterior, questionada veementemente em blogs e redes sociais, a partir de uma reportagem do canal concorrente, o SBT, que mostrava o candidato atingido por uma bolinha de papel. Serra afirmou, não sobre a bolinha de papel, mas sobre o outro objeto (o voador não identificado), que ficou "tonto" só que não a ponto de "desmaiar". E que fez uma tomografia em seguida. Um exagero.
A questão de ser agredido é forçar a barra. A intenção é criar medo e pânico colando a ideia de que petistas e Dilma são agressivos. Lembrem-se, estamos há oito dias do pleito e a Globo, a Folha e o Estadão, nitidamente, estão em campanha por José Serra. Seria uma forma de abafar a história de Paulo Preto e desviar o foco? Concordo que errou, sim, quem jogou alguma coisa em Serra, isso é patético, mas pior é usar tal episódio para capitalizar eleitoralmente em seu favor como fez no horário eleitoral e nos eventos em que participou. Pior é ver a matéria do JN induzindo o telespectador, como bem esclarece o texto do Azenha "Em menos de 24 horas, objeto sólido que atingiu Serra encolheu de 2kg para 0,5 kg". Sem falar na sorte do repórter da Folha. Com um celular, na muvuca, captar o momento exato - com imagem pouco clara - em que o objeto voador não identificado (que o perito usado no JN diz ser uma rolo de fita) acerta o tucano.
E hoje, como se nada tivesse acontecido, a divulgação pela Folha e pela TV Globo da pesquisa realizada pelo instituto Datafolha sobre as intenções de voto à Presidência mostra a candidata Dilma Rousseff (PT) com 50% das intenções e o candidato José Serra (PSDB) com 40% - foram ouvidos 4.037 eleitores no dia 21 de outubro. Ou seja, Dilma vai a 56% dos válidos e abre 12 pontos sobre Serra. Com o episódio, eles já devem estar alucinados por outra pesquisa para ver se Dilma perde uns pontinhos - coisa que o Serra não levou na cabeça.


Reportagem do JN de ontem, 21 de outubro


Vídeo "Farsa em 6 partes" de hoje, 22 de outubro

Um comentário:

Marina disse...

O molina é o perito que todo jornalista sonha; comprova sempre o que o freguês deseja hahahaha

Postar um comentário

Ofensas e a falta de identificação do leitor serão excluídos.

Web Analytics