.

.
30 de Julho de 1929, jovens velejadoras no porto de Deauville, França (Getty Images)

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Ínfimo glossário contemporâneo

Ação Penal 470 – programa vespertino de TV, muito instrutivo; anda tirando o sono de gente graúda que se achava

Bancada evangélica – busca o reinodedeus em primeiro lugar, desde que o reinodedeus distribua verbas, emissoras de rádio e TV e gordos cargos públicos; para tanto, não hesita em fazer alianças as mais indecentes, chafurdando-se na lambança política que campeia; odeia impostos, homossexuais e feministas porque, cada qual à sua maneira, ameaçam seus ideais de perpetuação da sua própria espécie

Bráulei – bolo de chocolate na língua exigida de atendentes de lanchonetes fast food (ver abaixo)

Cadastro – você se despir diante do caixa das lojas pra facilitar a vida delas e dar uma força não remunerada nas vendas

Cupcake – bolinho sem graça todo lambuzado de tinta colorida, vendido naqueles shopping centers (ver abaixo) em que as peruas levam cachorrinhos na bolsa e pagam tudo em dinheiro vivo

Customização – palavrão que corresponde ao que antigamente se dizia “sob encomenda” ou “sob medida”

Delivery – entrega de encomendas feita por motoboys (ver abaixo) lascados e mal pagos

Facebook – vitrine onde a gente descobre o que rola por aí e percebe que dá de um tudo mesmo nesse mundo

Fast food – restaurante cuja especialidade é frango à milanesa com gosto de papelão, refrigerante diluído num copo cheio de gelo e bráulei (ver acima)

Freixo – estranho sobrenome recentemente adotado por todos os descolados cariocas

Frozen yogurt – creme branco gelado, caríssimo, que queria ser iogurte, mas faltou iogurte

Gracinha – não se atreva a usar; exclusividade da Hebe por toda a eternidade

Happy auer – horário para celebrar a vida e o por do sol, quando os bares ficam lotados de mesas enormes de coroas animadas, coroas enturmados, mauricinhos em fim de expediente e periguetes (ver abaixo), na mesma mesa ou cada um na sua, e depois seja o que deus quiser

Merchandising – personagem de novela te chamando de otário

Motoboy – entregador de pizza e o que mais aparecer; lascado e mal pago; invisível pra quem recebe a encomenda e pra quem dirige o carro ao lado; gosta de uma bravata no trânsito e engrossa estatísticas horripilantes

Nojinho – pertence ao vasto território dos diminutivos incorporados; ainda não entendi: é nojo mesmo ou é uma forma enojada de dizer nojo?

Periguete – aquela que queria ter nascido Suelen, mas não rolou

Preview – aquelas roupinhas caríssimas que ficam na entrada da loja pra você se achar muito esperta

Self service por quilo – lugar onde tudo se mistura; maior quebra-galho na hora da fome

Serra – zumbi revoltado

Shopping center – lugar que tem a incrível capacidade de ser o mesmo em todos os países; no Brasil, propiciou o aparecimento do grupo populacional “branquinhos de shopping”

South Beach – condomínio de micro-apartamentos aqui perto de casa, ou seja, na Flórida

SUV – Carro grande e obeso, geralmente dirigido por ego idem

Tchu-tcha-tchu-tcha-tcha-tchu – onomatopeia para uma delicada abordagem sexual

Toppings – grudes multicoloridos que fazem uma lambança sobre o frozen (ver acima); antigamente se chamavam “coberturas”

Twitter – ainda não conheço, mas desconfio que é um lugar misterioso onde todo mundo diz o que quer sobre a vida alheia e depois desconversa

Varanda gourmet – lugar de fazer churrasco na laje em apartamentos onde tudo o que se queria era fazer churrasco na laje, porque as pessoas não cabem lá dentro, mas faltou a laje.

Júnia Puglia, cronista, mantém a coluna semanal De um tudo no NR.

9 comentários:

Fernanda Pompeu disse...

Obrigada, Júnia. Minha sexta-feira com pinta de sisuda se alegrou com o seu glossário divertido e caprichado. Bravo!

Anônimo disse...

Sensacional e mega necessário para os dias atuais. Acho que devemos imprimir umas quantas edições de bolso e distribuir por aí. Eu acabei de descobrir que sou uma descolada carioca! ;))))
Gisele

leila disse...

Rindo à beça, mas tendo o cuidado de memorizar todas as informações enriquecedoras e necessárias!
Obrigada amiga sempre menina!

Anônimo disse...

DICIONARIO ATUALIZADO FAZ BEM. NÃO CONSIGO ENTENDER TANTA NOMENCLATURA DESNECESSÁRIA.MAS A LÍNGUA PORTUGUESA (DO BRASIL, BEM ENTENDIDO ) É TÃO MÃE AGASALHADORA QUANTO NOSSA PÁTRIA AMADA SALVE! SALVE !
MUMMY DIRCIM, QUE PREFERE O LINGUAJAR ANTIQUADO DE NOSSOS ANTIQUADOS ESCRITORES.

Monica Galvão disse...

Ótimo! Definições perfeitas, Júnia.
Muito engraçado!
Abç
Monica





Beatriz Cannabrava disse...

Adorei o glossário. Ou será gozário????

Anônimo disse...

Boa pergunta! Júnia

Montanhas, mares e culturas disse...

dorei essa: Cupcake – bolinho sem graça todo lambuzado de tinta colorida, vendido naqueles shopping centers (ver abaixo) em que as peruas levam cachorrinhos na bolsa e pagam tudo em dinheiro vivo. O máximo!

Anônimo disse...

Bancada evangélica


SÓ PRA DÁ UMA ATUALIZADA NO VOCÁBULO SUPRACITADO DO GLOSSÁRIO ÍNfimo (ou seria INútil?)

BANCADA EVANGÉLICA - não representa a totalidade do pensamento do povo evangélico brasileiro, por isso, não pode ser tomado como bancada universal. Ah, só pra antenar: depois do Governo, as instituições evangélicas são as que mais recuperam drogados, viciados em álcool, retira meninas e meninos das ruas e dá dignidade as mulheres tirando-as da prostituição das ruas.

Postar um comentário

Ofensas e a falta de identificação do leitor serão excluídos.

Web Analytics