.

.
30 de Julho de 1929, jovens velejadoras no porto de Deauville, França (Getty Images)

quinta-feira, 8 de setembro de 2005

Dias iguais

Na música relaxante,
Um anestésico cotidiano.
Sobe o som do aparelho,
O veículo roda os cavalos,
Entram um, dois, três; em pé. Não tem onde sentar.
Cavalheiro-obrigatório cede o lugar ao idoso.
A jovem gargalha da amiga,
A janela embasada de suor antigo revela o mendigo que canta a tristeza –
A sede de cachaça aumenta a todo instante.
Muda de faixa, o motoqueiro a mil – pilhado e adrenalizado – quase encontra Deus.
Na música relaxante,
Um anestésico cotidiano.
A injustiça é nua,
Palpável e palatável.
Os gestos são iguais,
Um com a bíblia em punho,
O outro com o revólver.
Cobrador imóvel e o fone esquerdo cai.
O sangue escorreu até a cintura.
Na estatística vale o número,
A vida, em si, não vale – a alma é prisioneira do medo (todos os dias).
A trajetória chega ao fim.
O aparelho é desligado – de volta a realidade.
O sinal é dado,
A porta se abre,
O cotidiano segue.


Thiago Domenici

2 comentários:

Marcelo Salles disse...

É isso aí véio, revolução é uma coisa só: atitude com consciência social!

Anônimo disse...

Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu

Postar um comentário

Ofensas e a falta de identificação do leitor serão excluídos.

Web Analytics